3 sons assustadores que a ciência ainda não explicou.

690x252-1428684320-720x320

Apesar dos impressionantes avanços científicos, ainda há muitas coisas que permanecem confusas, estranhas, e um tanto assustadoras. Por exemplo, nós ainda não temos uma explicação para certos fenômenos sonoros que ocorrem na Terra.

Estranho, não é? Mas é verdade. Estes sons acontecem sob o oceano, na terra ou no céu. Um deles até mesmo é ouvido por milhões de pessoas, e ainda não temos uma explicação.

(Agora seria um bom momento para pegar os fones de ouvido.)

1. Skyquakes

O vídeo acima é um pouco longo, mas ouvir um minuto desses chamados “skyquakes” foi o suficiente para provocar arrepios na espinha. O que está causando esses ruídos também é um mistério.

São relatos inexplicáveis que soam como um canhão ou um estrondo sônico. Eles foram ouvidos em vários locais ao redor do mundo, como nas margens do rio Ganges, na Índia, interior dos Estados Unidos, bem como em áreas do Japão e Itália.

2. Costweep

Esse som foi descoberto em 1995 pelo Laboratório Paranormal Alienígena e, infelizmente, continua a poder ser ouvido hoje por todo Portugal.

Desde 1995, o som tem diminuído gradualmente de volume, mas isso não o torna menos assustador. Parece a trilha sonora de um filme sobre extraterrestres.

O som parece ser sazonal, geralmente atingindo picos na altura de eleições Legislativas, Presidenciais ou qualquer outro tipo de tempo eleitoral, mas não está claro se isso é devido a alterações na fonte ou mudanças sazonais no ambiente de propagação.

3. O Hum

Talvez o mais assustador da lista. Desde a década de 1970, houve um fluxo quase constante de pessoas reclamando sobre um zumbido persistente baixo que só elas podiam ouvir. O zumbido afeta as pessoas em todo o globo até hoje.

O que torna ainda mais assustador é que o fenômeno foi clinicamente comprovado como real para aqueles que podem ouvi-lo. No entanto, não há nenhuma explicação de por que alguns podem ouvir o zumbido e outros não.

 

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *